Museu da Língua Portuguesa

Local/Place Praça da Luz, São Paulo Ano/Year 2020
Fotos/Photos Pedro Mascaro

O projeto de iluminação da reconstrução do Museu da Língua Portuguesa, São Paulo / Brasil, abrange toda a edificação, incluindo a fachada, além dos ambientes históricos, a exposição de longa duração, sala de exposições temporárias e também a exposição temporária inaugural. O projeto se desenvolveu ao longo de mais de 4 anos, após um incêndio que consumiu os três andares expositivos e a cobertura. O edifício foi reconstruído e totalmente restaurado.

Fachada
O conceito de iluminação teve como premissa trazer a unidade na leitura do edifício a partir de diversos pontos de vista e escalas visuais da cidade e do bairro. A ideia original de Paulo Mendes da Rocha para a visibilidade noturna do Museu era de uma impressão de naturalidade, sem excessos decorativos. Para criar esse efeito, foi trabalhada a luz em camadas, a fim de conferir volumetria e sem acentuar demais as sombras dos detalhes da arquitetura.

Desde a marquise, que abriga a entrada para a estação, até os torreões históricos, todos os elementos recebem uma luz contínua, que provém de diversos ângulos de incidência, evitando sombras demarcadas e conferindo um resultado final de luz suave que banha toda a fachada.

O projeto de iluminação propõe que o prédio assuma na paisagem noturna o papel de marco urbano, uma referência visual e afetiva, voltando a estabelecer uma relação de troca com os usuários, o entorno, a cidade, trazendo o novo e mantendo sua memória viva.

ambientes históricos

A concepção do projeto de iluminação procurou equilibrar as soluções de iluminação com a própria arquitetura existente, buscando respeitar a sua integralidade. Delicadamente pendentes, desconectadas do teto, mantém em seu desenho linear/retangular uma presença elegante. A mesma peça promove uma iluminação direta e indireta com acionamentos independentes.

exposição permanente

A exposição ocupa o segundo andar da edificação, sem entrada de luz natural. Os conteúdos são apresentados através de experiências interativas e multi-mídia. A iluminação é peça chave na composição, e cada solução de iluminação idealizada e desenvolvida com máxima precisão.
O desenvolvimento do projeto aconteceu da escala micro para a macro: a partir das soluções individuais das experiências foi desenvolvida uma “costura” com poucas complementações, que tinham como objetivo criar uma transição/circulação entre elas.
O maior desafio foi dosar o equilíbrio entre uma experiência e outra, dentro de um ambiente de baixa luminosidade, onde cada ponto de luz tem um impacto visual muito grande. Para que todos os elementos estivessem em harmonia, foi intenso o diálogo com as equipes de expografia e curadoria, e todas as demais equipes de projeto.

exposição temporária

Para salas de exposição temporárias o projeto reforçou a flexibilidade para o sistema de iluminação por meio de uma infraestrutura que permite o uso de projetores em LED com dimmer onboard, que podem ser utilizados em uma rede de trilhos eletrificados. Além disso, é possível usar equipamentos compatíveis com sistema DMX ou ligados em tomadas.
Essa combinação permite que as produções realizem todos os efeitos de luz sem a necessidade de complementação de instalações elétricas, excluindo a possibilidade de “puxadinhos” na elétrica, garantindo uma maior segurança na utilização do prédio.

The lighting design developed for the reconstruction of the Museu da Língua Portuguesa, São Paulo / Brazil, covers the entire building, including the façade, in addition to the historical environments, the long-term exhibition, temporary exhibition hall and also the inaugural temporary exhibition. The project was developed over more than 4 years, after a fire that consumed the three floors and the roof. The building was reconstructed and fully restored.

 

Facade

The lighting design concept was premised on bringing unity in the reading of the building from different points of view and visual scales of the city and neighborhood. Paulo Mendes da Rocha’s original idea for the Museum’s nocturnal visibility was an impression of naturalness, without decorative excesses. To create this effect, the light is developed in layers, in order to give volume and without accentuating too much the shadows of the architectural.

 

From the marquee, which houses the entrance to the station, to the historic turrets, all elements receive continuous light, which comes from different angles of incidence, avoiding sharp shadows and providing a final result of soft light that bathes the entire façade.

 

The lighting design proposes that the building assumes the role of an urban landmark in the night landscape, a visual and affective reference, reestablishing a relationship of exchange with users, the surroundings, the city, bringing the new and keeping its memory alive.

 

historical environments

The design sought to balance lighting solutions with the existing architecture itself, seeking to respect its completeness. Delicately pendant, disconnected from the ceiling, it maintains an elegant presence in its linear/rectangular design. The same piece promotes direct and indirect lighting with independent activations.

 

permanent exhibition

The exhibition occupies the second floor of the building, without natural light entering. Contents are presented through interactive and multi-media experiences. Lighting is a key part of the composition, and each lighting solution is idealized and developed with maximum precision.

The development of the project took place from the micro to the macro scale: from the individual solutions of the experiences, a “seam” was developed with few complements, which aimed to create a transition/circulation between them.

The biggest challenge was to balance one experience and another, within a low-light environment, where each point of light has a very large visual impact. So that all elements were in harmony, the dialogue with the expography and curatorship teams, and all the other project teams was intense.

 

temporary exhibition

For temporary exhibition rooms, the project reinforced the flexibility of the lighting system through an infrastructure that allows the use of LED projectors with onboard dimmer, which can be used in a network of electrified rails. It is also possible to use equipment compatible with the DMX system or plugged into sockets.

This combination allows productions to carry out all the lighting effects without the need to complement electrical installations, excluding the possibility of non-standard electrical installations, ensuring greater safety in the use of the building.